Acompanhe
Lions Clubs Internacional

CEGUEIRA EVITÁVEL- “ A PREVENÇÃO AINDA É O MELHOR REMÉDIO”

Causa Global Visão
Compartilhar no WhatsApp Compartilhar no Telegram

Card com um vetor de um oftalmologista- procure um oftalmologista

Card com um vetor de um oftalmologista- procure um oftalmologista

CEGUEIRA EVITÁVEL- “ A PREVENÇÃO AINDA É O MELHOR REMÉDIO”

Por CaL ELAINE Castelo Branco - comissão Lions Latino-americana de Defesa das Pessoas com deficiência e outras vulnerabilidades)

Você sabia que existem doenças oftalmológicas que quando detectadas precocemente, podem ser evitadas as perdas visuais?

A Organização Mundial de Saúde (OMS), chama a atenção para o fato de que as principais causas que levam à cegueira são evitáveis em 80% dos casos.

No Brasil, de acordo com informações do Conselho Brasileiro de Oftalmologia, estima-se que quase 35 mil crianças ficaram cegas devido a doenças oculares que poderiam ser evitadas ou tratadas precocemente.

Grande parte dessas doenças é silenciosa e progressiva, ou seja, quando a pessoa identifica sinais, o estágio já está avançado e o tratamento já não é mais tão eficiente.
A catarata e os erros de refração são considerados as principais causas de cegueira evitável. Também pertencem à lista: glaucoma, tracoma, Degeneração Macular Relacionada à Idade – DMRI e retinopatia diabética. Em todas, o diagnóstico precoce é determinante para prevenir seu avanço e possíveis complicações.

Nesse sentido a Comissão Lions Latinoamerica de defesa da pessoa com deficiência e outras vulnerabilidades, reforça a necessidade de que consultas regulares ao oftalmologista precisam ser parte inerente da rotina.
Essas visitas devem ocorrer mesmo na ausência de sintomas, pois existem doenças que evoluem de forma assintomática, como o glaucoma.
Para pacientes que convivem com doenças crônicas, como o diabetes e a hipertensão, o acompanhamento oftalmológico não deve, de forma alguma, ser negligenciado, pois elas representam um importante fator de risco para problemas relacionados à visão.

Dê sua opinião: