Acompanhe

Como zika e dengue podem deixar seres humanos mais atraentes para mosquitos

Os vírus da zika e da dengue alteram o odor de seres humanos e camundongos que eles infectam, revela uma nova pesquisa publicada na revista científica
Compartilhar no WhatsApp Compartilhar no Telegram

Como zika e dengue podem deixar seres humanos mais atraentes para mosquitos

Como zika e dengue podem deixar seres humanos mais atraentes para mosquitos Foto: © Getty Images

Os vírus da zika e da dengue alteram o odor de seres humanos e camundongos que eles infectam, revela uma nova pesquisa publicada na revista científica Cell. Isso os torna mais atraentes para os transmissores do patógeno, os mosquitos.

Espalhada em áreas tropicais, como no Brasil, a dengue causa febre, erupções cutâneas e dores dolorosas — e pode ser fatal.

Já o zika pode causar defeitos congênitos, se gestantes forem infectadas, mas a maioria dos adultos apresenta casos leves ou assintomáticos e geralmente se recupera em poucos dias.

Cientistas de vários laboratórios chineses, incluindo o Centro Chinês de Controle e Prevenção de Doenças e a Universidade Tsinghua, em Pequim, descobriram que moléculas com odores na pele de camundongos com dengue os tornavam muito mais suscetíveis a picadas de mosquitos.

A molécula de maior atração, a acetofenona, que aumenta em pessoas e camundongos com dengue ou Zika, foi então aplicada nas mãos de voluntários humanos.

Os pesquisadores estão agora à procura de tratamentos que têm como foco a acetofenona.

Zika é transmitido pelo mosquito Aedes aegypti, que é mais ativo durante o dia

© SPLZika é transmitido pelo mosquito Aedes aegypti, que é mais ativo durante o dia

Estima-se que haja até 400 milhões de infecções por dengue todos os anos. E o Zika foi notificado em 86 países ao redor do mundo.

O Brasil enfrentou nova epidemia de dengue neste ano, diante de chuvas intensas e prolongadas. Entenda aqui.

Dados do Ministério da Saúde apontam 585 óbitos de janeiro a 20 de junho de 2022 por dengue no país. O número é superior ao dobro do total do ano passado, de janeiro a dezembro, quando 246 pessoas morreram por causa da doença.

Os vírus são mais comuns na América do Sul e Central, África, Caribe e partes da Ásia.

Febre amarela, encefalite japonesa e doença do Nilo Ocidental também são vírus da família Zika.

Como se proteger

Além das políticas públicas, especialistas chamam atenção para as responsabilidades individuais no combate à dengue.

Aqui entram aquelas recomendações clássicas de evitar qualquer reservatório de água parada sem proteção em casa. O mosquito pode usar como criadouros grandes espaços, como caixas d'água e piscinas abertas, até pequenos objetos, como tampas de garrafa e vasos de planta.

Vale fazer uma faxina no quintal e na varanda, com especial atenção para depósitos, calhas e objetos que ficam ao relento e podem acumular água da chuva.

Instalar telas em portas e janelas ou usar repelentes na pele são atitudes que também podem ajudar.

Por fim, é importante ficar atento aos sintomas da dengue, como febre, cansaço, vermelhidão em partes do corpo, coceira e dores na cabeça, nos músculos, nas articulações ou atrás dos olhos.

Após o diagnóstico da doença, a recomendação é fazer repouso, caprichar na hidratação e, se necessário, usar remédios que aliviam alguns desses incômodos.

Aqui, entenda como diferenciar os sintomas de dengue da variante ômicron da covid-19.

- Este texto foi originalmente publicado em https://www.bbc.com/portuguese/geral-62010241

Fonte: MSN- BBC

Dê sua opinião: