Danças centenárias mantém viva tradições africanas no interior do Piauí

O Balandê Baião e o Cavalo Piancó são danças que resgatam as origens africanas há mais de 100 anos.
Compartilhar no WhatsApp Compartilhar no Telegram

Cavalo Piancó mantém viva tradição popular em Amarante, no Norte do Piauí

Cavalo Piancó mantém viva tradição popular em Amarante, no Norte do Piauí Foto: Reprodução /TV Clube

O Piauí é formado por danças que compõem a cultura do estado e mantém viva a tradição de diversos povos. As mais conhecidas são Balandê Baião, que resgata as origens africanas no interior do estado, e o Cavalo Piancó, que homenageia santos juninos.

Em Amarante, município a 164 km de Teresina, o Cavalo Piancó é repassado de geração a geração desde a fundação da cidade, em 1871. A coreografia é feita imitando o trote de um cavalo manco. Ela surgiu com os povos escravizados às margens do rio Canindé, que banha o município. O bailado pode ser realizado em grupo ou em par.

"Os escravos para se entreterem criavam passos de dança. Então uma vez dançaram como o trote de um cavalo piancó, que significa manco, daí surgiu a dança", contou a professora amarantina Euzeni Dantas.

Dona Cibita, como é popularmente conhecida, foi uma das responsáveis por repassar a dança e sua coreografia para os mais jovens. Segundo ela, o Cavalo Piancó é ensino há 35 anos para as novas gerações.

"Eu comecei a ensinar a dança do Cavalo Piancó quando eu tinha mais de 20 anos. Em 2011eu fiz 35 anos dirigindo Cavalo Piancó, dança portuguesa, pagode aqui na cidade", relatou.

O bailarino, ator e coreografo Valdemar dos Santos Carvalho, conhecidocomo Nego Val, foi aluno de dona Cibita e lembra com orgulho da mestra. "Ela é uma referência para mim", elogiou.

Outra dança tradicional no Norte do Piauí é o Balandê Baião. Ela foi criada por negros escravizados da região que, atualmente, pertence ao município de Monsenhor Gil.

"O primeiro registro que temos da dança é de 1887, por meio da obra do escritor local Jonas Batista", explicou o professor Josimar Venção, do Grupo Tradicional de Balandê Baião.

De acordo com o professor, o ritmo, a musicalidade e o repente do balandê foram criados por Luís Pereira de Andrade, o mestre Zé Coelho, através do aperfeiçoamento do tradicional baião.

A dança Balandê Baião é passada de geração a geração em Monsenhor Gil — Foto: Reprodução /TV Clube

A dança Balandê Baião é passada de geração a geração em Monsenhor Gil — Foto: Reprodução /TV Clube

"Mestre Zé Coelho não aceitava que no baião as pessoas não pudessem se tocar. O homem não pegava na mão da mulher, era no lenço. O mestre queria driblar essa regra da sociedade. Então, com o seu irmão, criaram o balandê", contou Josimar.

Para a professora Maria Filomena, na época, era indispensável a dança depois dos festejos de Nossa Senhora da Conceição. Hoje em dia, ela promove, todo mês de dezembro, uma novena em homenagem à santa. A imagem que é adorada há mais de 130 anos.

"As novenas eram muito divertidas. Quando terminava a missa sempre tinha aquele momento de conversa. O chá não podia faltar e as brincadeiras das crianças eram o baião, o balandê, cantigas de roda, esconde-esconde era isso", lembrou.

Fonte: G1Piauí

Dê sua opinião: