Acompanhe

Argentina: governo perde maioria do Congresso e busca diálogo

Presidente perde maioria no Senado
Compartilhar no WhatsApp Compartilhar no Telegram

Alberto Fernández, presidente da Argentina

Alberto Fernández, presidente da Argentina Foto: Reprodução

A coalizão Frente de Todos, do presidente argentino Alberto Fernández, perdeu a maioria no Senado e ficou sem o controle do Congresso, o que a obrigará a buscar consenso com a oposição para alcançar a governabilidade nos próximos dois anos.

"Se os números forem confirmados, efetivamente o próprio quórum (metade mais um) está perdido no Senado", disse uma fonte oficial à AFP. O governo peronista de centro-esquerda passaria de 41 dos 72 senadores para apenas 35, segundo a contagem de mais de 95% dos votos.

Neste contexto, em tom lento e conciliador, o presidente anunciou que se dirigirá em breve “aos representantes da vontade popular e das forças políticas que eles representam, para acordar uma agenda o mais compartilhada possível. Uma oposição responsável e responsável aberta a o diálogo é uma oposição patriótica. Nosso povo precisa desse patriotismo."

“Precisamos de uma relação frutífera entre o governo e o Congresso Nacional, na Câmara dos Deputados e no Senado, para o interesse geral do nosso país”, frisou.

Grupos minoritários
As eleições deste domingo, com uma participação de mais de 71%, renovaram parcialmente as câmaras de deputados e senadores, nas quais avançou a aliança de centro-direita Juntos, do ex-presidente Mauricio Macri (2015-2019), embora sem conseguir a maioria parlamentar.

Os dois grandes blocos são unidos por pequenas representações de forças provinciais, a esquerda e os liberais.

Macri, o principal nome da oposição, anunciou que "os próximos dois anos vão ser difíceis", e garantiu que a sua coligação "vai agir com grande responsabilidade, ajudando a que a transição seja o mais ordenada possível", antecipando as eleições presidenciais de 2023 .

María Eugenia Vidal, ex-governadora da província de Buenos Aires e agora eleita deputada pelo Juntos, comemorou que "a maioria dos argentinos, milhões de argentinos em todo o país, disseram o suficiente".

O consultor político Raúl Aragón previu a cooperação entre as forças. “Há uma tensão interna crescente dentro do Juntos, mas não serve à oposição não dialogar. Não serve a eles permanecerem antidemocráticos para o projeto presidencial de 2023, que é insustentável”.

Fonte: R7.com

 

Dê sua opinião: