Padre italiano abandona Igreja por amor. "Pela Laura, desisto da batina"

Caso aconteceu na Itália
Compartilhar no WhatsApp Compartilhar no Telegram

Padre deixou a igreja para se casar com mulher na Itália

Padre deixou a igreja para se casar com mulher na Itália Foto: Reprodução

Foi durante a celebração dominical da igreja de Massa Martana, na cidade italiana de Todi, na região da Perúgia, que o padre Don Riccardo Ceccobelli anunciou aos fiéis a sua intenção de renunciar ao sacerdócio porque havia se apaixonado e queria viver esse amor.

 "Eram 11h27 de domingo, no dia 11 de abril, o céu chorava e eu chorava. Ia guiando com pressa em direção a Massa Martana para a última missa da minha vida, a última missa celebrada por mim, quero dizer. Estava com pressa, mas a dada altura uma carroça que carregava uma oliveira surgiu na minha frente. A carroça movia-se lentamente e eu queria ultrapassá-la. Então, veio-me à mente a história que aprendi na catequese quando era pequeno: a planta que é movida, um dia dará frutos noutro lugar. Aqui, agora, sinto-me como aquela oliveira. Estou em movimento. Para mim, foi um sinal de Deus", disse Riccardo Ceccobelli, citado pelo Corriere della Sera.

O homem de 42 anos de idade dedicou metade da sua vida à Igreja Católica, mas, não sendo possível compatibilizar o sacerdócio com a constituição de família, optou pelo amor a Laura. "O meu coração apaixonou-se. Nunca traí as promessas que fiz, mas quero tentar viver esse amor. Não consigo ser coerente, transparente e correto com a Igreja como tenho sido até agora", ressaltou.

"Nunca saí com ela como namorada, mas pela Laura desisto da batina. Eu esperava que ela encontrasse um namorado, mas a cada dia que passava ficava pior. Dentro de mim, continuarei a ser um padre", acrescentou o antigo sacerdote.

A sua história tornou-se notícia no país, mas Ceccobelli tem recebido mensagens de apoio, incluindo de Dom Gualtiero Sigismondi, o seu superior, que o apoiou na sua decisão e que estava, inclusive, na missa onde fez o anúncio.

                                                                                

Fonte: Notícias ao minuto

                                                                                                                                                                                                                                                            

                                        

Dê sua opinião: