Prefeitura de Floriano decreta lockdown neste fim de semana

Casos de coronavírus aumentaram no município
Compartilhar no WhatsApp Compartilhar no Telegram

Prefeito Joel Rodrigues participa de reunião

Prefeito Joel Rodrigues participa de reunião Foto: Divulgação/Semcom

O prefeito de Floriano, Joel Rodrigues, reuniu, na manhã desta sexta-feira, 19, os representantes das entidades do comércio de Floriano: Sindicato do Comércio Varejista, Associação Comercial e Empresarial do Sul do Piauí e Câmara de Dirigentes Lojistas, para apresentar os dados epidemiológicos de Floriano e anunciar novas medidas de restrição no fim de semana.

A diretora de Epidemiologia, Miléssia Mousinho, mostrou dados preocupantes dos últimos dois meses. Um deles é o aumento do número de novos casos de pessoas contaminadas pelo novo coronavírus, que está na média de 25 por dia. Até o dia 17 de fevereiro, data do último levantamento geral são 435 casos, contra 196 dos primeiros 17 dias de janeiro, um aumento de 122% e bem acima dos 323 registrados em todo o mês de dezembro. Em janeiro quando os casos voltaram a subir, foram 560 notificações. Em fevereiro se o ritmo não cair, poderemos ultrapassar os 700 casos, chegando ao terceiro pior mês, desde o início da pandemia.

O número de atendimentos no CERSIG (Centro de Referência para o Tratamento de Síndromes Gripais), também subiu, segundo a diretora Kívia Resende, de 3.050 em dezembro para 3.782 em janeiro e, nos primeiros 17 dias de fevereiro, 2.579 atendimentos.

Outra preocupação é com o aumento no número de internações. Até o dia 17, só de Floriano, eram 14 em leitos clínicos e 7 em leitos de UTI, o que demonstra um maior número de pacientes com sintomas mais graves.

Por causa dos números e do relaxamento da população, o prefeito Joel Rodrigues anunciou que editará um novo decreto de lockdown que valerá a partir das 14h deste sábado, 20, até domingo, com várias restrições, inclusive da comercialização de bebida alcoólica, medidas que valerão também para o shopping e que só não atingirão os serviços considerados essenciais.

O prefeito também pediu o apoio das entidades comerciais para fiscalizar uma situação grave de servidores com sintomas que têm sido atendidos no CERSIG, mas que continuam trabalhando, ampliando o caminho de transmissão do vírus.

Tanto o prefeito Joel Rodrigues como os representantes do comércio se mostraram preocupados com a aglomerações também em empresas que prestam serviços essenciais e a Vigilância Sanitária deve endurecer as fiscalizações em geral, com medidas mais duras, no caso de descumprimento das regras sanitárias.

Joel informou que deve encaminhar para o legislativo, um projeto de Lei que determinará o fechamento temporário de empresas que descumprirem os decretos e obrigações sanitárias, mesmo que sejam de serviços essenciais.

“Nós estamos praticamente com um ano de pandemia e não é hora só de medidas educativas, teremos que adotar o rigor da lei para quem ainda não se conscientizou da gravidade do momento”, disse.

Joel Rodrigues afirmou que na próxima semana uma nova avaliação epidemiológica e de comportamento da população será feita e não está descartada a adoção de medidas ainda mais rigorosas. “Está ficando muito difícil a situação da nossa cidade e temos que lembrar que o Hospital Tibério Nunes não é só de Floriano, mas atende a toda uma região”, finalizou.

Com informações do florianonews.com
Imagem: Semcom

Dê sua opinião: