Acompanhe

Bolsonaro promete reduzir emissões e pede 'justa remuneração' por 'serviços ambientais'

Presidente discursou na Cúpula do Clima
Compartilhar no WhatsApp Compartilhar no Telegram

Presidente Jair Bolsonaro

Presidente Jair Bolsonaro Foto: Agência Brasil

O presidente Jair Bolsonaro prometeu nesta quinta-feira (22) adotar medidas que reduzam as emissões de gases e pediu "justa remuneração" por "serviços ambientais" prestados pelos biomas brasileiros ao planeta.

Bolsonaro deu as declarações ao discursar por vídeo na Cúpula de Líderes sobre o Clima, organizada pelo presidente dos Estados Unidos, Joe Biden.

Entre outros pontos, Bolsonaro disse no discurso que o Brasil se compromete a:

zerar até 2030 o desmatamento ilegal;
reduzir as emissões de gases;
buscar 'neutralidade climática' até 2050, antecipando em dez anos;
'fortalecer' os órgãos ambientais, 'duplicando' recursos para fiscalização.

"À luz de nossas responsabilidades comuns, porém diferenciadas, continuamos a colaborar com os esforços mundiais contra a mudança do clima. Somos um dos poucos países em desenvolvimento a adotar e a reafirmar a NDC transversal e abrangente, com metas absolutas de redução de emissões, inclusive para 2025, de 37%, e de 40% até 2030", afirmou o presidente na cúpula.

Ainda no discurso, Bolsonaro afirmou ter determinado que a chamada "neutralidade climática" seja alcançada pelo Brasil até 2050, antecipando em dez anos a meta anterior. A medida consiste em o país não emitir mais gases na atmosfera do que é capaz de absorver

Em outro trecho, Bolsonaro declarou: "É preciso haver justa remuneração pelos serviços ambientais prestados por nossos biomas ao planeta como forma de reconhecer o caráter econômico das atividades de conservação."

Desmatamento ilegal
Ainda no discurso desta quinta, Bolsonaro reafirmou "compromisso" com a eliminação do desmatamento ilegal até 2030, conforme o presidente já havia dito em uma carta enviada a Joe Biden.

"Destaco aqui o compromisso de eliminar o desmatamento ilegal até 2030 com a plena e pronta aplicação do nosso Código Florestal. Com isso, reduziremos em quase 50% nossas emissões até essa data", declarou o presidente na cúpula.

No último dia 9, o Instituto de Pesquisas Espaciais (Inpe) informou que os alertas de desmatamento na Amazônia bateram recorde em março. Ao todo, foram 367, km².

Ainda conforme o Inpe, o desmatamento na Amazônia em 2020 foi mais de 3 vezes superior à meta proposta pelo Brasil para a Convenção do Clima.

Fonte: globo.com

Dê sua opinião: