Acompanhe

Jovem com facão invade creche e deixa adultas e três crianças mortas em SC

Cico pessoas ficaram mortas
Compartilhar no WhatsApp Compartilhar no Telegram

Ataque em creche deixou cinco pessoas mortas em Santa

Ataque em creche deixou cinco pessoas mortas em Santa Foto: Reprodução

Um jovem de 18 anos armado com um facão invadiu nesta terça-feira (4) uma creche municipal em Saudades, a 446 km de Florianópolis (SC), e desferiu golpes em crianças e adultos dentro do estabelecimento de ensino, segundo a Polícia Militar. A corporação confirmou ao menos cinco mortes, sendo três de crianças e duas mulheres.

A Polícia Civil informou que duas crianças morreram no local e uma terceira veio a óbito após atendimento médico no hospital em Saudades. Todas são alunas da creche e tinham menos dois anos, confirmou o delegado Jerônimo Marçal. Já entre as adultas, uma professora morreu no local e uma funcionária da creche foi hospitalizada, mas não resistiu.

De acordo com a PM, o atentado aconteceu na CEI (Centro de Educação Infantil) Pró-Infância Aquarela, voltado para crianças de até 3 anos. O homem entrou e "golpeou com arma branca tipo facão" professores e alunos. Depois, ele tentou se matar, mas foi interrompido por populares e está internado em estado grave.

O autor do atentado foi levado ao Hospital Beneficente de Pinhalzinho, cidade vizinha. O rapaz não tem passagem pela polícia.

Saudades tem população de cerca de 9.000 pessoas e fica na região de Chapecó, no Oeste de Santa Catarina.

Como foi o ataque em Saudades
De acordo com a Polícia Civil, o jovem invadiu a escola por volta das 10h. Ele primeiro atacou uma professora de 30 anos que estava na entrada do prédio. A vítima chegou a correr do suspeito, mas foi alcançada pelo homem e morreu na escola.

Após atacá-la, ele teria entrado em uma sala de aula e desferido os golpes em crianças. No local havia quatro alunos e uma funcionária da escola na sala.

"Ele começou a atacar a professora, que correu para uma sala onde tinham crianças. Lá nessa sala, ele agrediu outras pessoas", disse o delegado Jerônimo Marçal, em entrevista à Rádio Vale FM.
"Intenção dele era fazer o maior número de vítimas"

Mais tarde, Marçal disse que a intenção do suspeito era "fazer uma barbárie". Havia 30 crianças dentro da escola.

De acordo com a investigação preliminar, a tragédia não foi maior porque as professoras perceberam o atentado e trancaram as outras salas que tinham aulas no momento.

"Ele teria deixado o local e foi abordado por populares. Neste momento, ele tentou contra a própria vida, mas não conseguiu. (...) O que entendo até o momento é que a intenção dele era fazer a barbárie e o maior número de vítimas possível e tentar suicídio, mas não conseguiu se matar", acredita o delegado.

A informação preliminar apurada pela investigação aponta que o suspeito chegou em uma bicicleta e não tem problemas mentais aparentes, segundo informações repassadas pela família.

A Polícia Civil já apreendeu um computador usado pelo jovem, que passará por perícia.

Homens pararam ataques, diz prefeito vizinho
Em entrevista à BandNews FM, o prefeito da cidade de Chapecó, João Rodrigues (PSD), afirmou que o jovem é de uma família conhecida da cidade de Saudades e que seu ataque foi interrompido por populares.

"É um jovem de família muito boa, não se sabe se teve um desequilíbrio mental. Ele matou duas crianças, matou uma professora [números que depois subiram] e só não foi mais longe porque houve intervenção de um metalúrgico e de um pedreiro, que pegaram o garoto e o interromperam com golpes de barras de ferro", afirmou João Rodrigues.

"Não se tem confirmação se foi um surto repentino, ou se foi algo desses jovens de internet. O jovem é de uma família conhecida na cidade, pessoas de bem, não é uma família com problemas. A mãe do garoto está com problemas de câncer. E os motivos, ninguém sabe. Ele foi levado para um hospital da cidade de Pinhalzinho. Ele tentou suicídio e foi ferido pelos populares, para pará-lo, porque ele não ia parar seu ataque", concluiu o prefeito de Chapecó.

Daniela Reinehr (sem partido), governadora em exercício de Santa Catarina, decretou luto oficial de três dias após o ataque à creche.

Fonte: Folhapress


Dê sua opinião: