Acompanhe

Vacinas freiam mortes, mas Brasil perde 600 mil vidas para a Covid-19

Vacinas frearam morte por Covid
Compartilhar no WhatsApp Compartilhar no Telegram

UTI Covid

UTI Covid Foto: Reprodução

O Brasil atingiu, nesta sexta-feira (8), a marca de 600 mil mortes por Covid-19, ao registrar 615 nas últimas 24 horas, de acordo com os dados enviados pelos estados ao Ministério da Saúde e ao Conass (Conselho Nacional de Secretários de Saúde). O número de novos casos diagnosticados é de 18.172, totalizando 21.550.730 desde o começo da pandemia. 

Desse total de óbitos, mais de 400 mil ocorreram apenas no primeiro semestre deste ano, o que marcou o triunfo da variante Gama, identificada primeiro em Manaus, em um cenário de escassez de vacinas e de uma campanha de imunização que seguia a passos lentos desde janeiro, quando a primeira brasileira foi vacinada.

Em 19 de junho, dia em que a contagem chegou aos 500 mil mortos, somente 30% da população havia recebido a primeira dose de uma vacina anti-Covid e só 11% estavam completamente imunizados. De lá para cá, quase quatro meses depois, o cenário é outro: 70% dos brasileiros têm ao menos uma dose e 45% estão com o esquema vacinal completo, de acordo com os dados do Vacinômetro .

O avanço da vacinação é o que explica a desaceleração do número de mortes por Covid-19 nos últimos meses, segundo a diretora da SBIm (Sociedade Brasileira de Imunizações), Mônica Levi. A média móvel de óbitos atualmente está abaixo de 460; em junho, a estimativa era de 2.000.

“Se alguém ainda tinha alguma dúvida sobre a eficácia das vacinas, não tem mais como argumentar, porque há uma prova concreta. Estamos com números decrescentes graças à vacinação de cerca de 2 milhões de pessoas por dia e à adesão da população à campanha”, garante.


Apesar do iminente sucesso da campanha de vacinação no Brasil, a especialista destaca que a pandemia ainda não está controlada no país e que as medidas de proteção não farmacológicas, como o uso de máscara e a higienização das mãos com álcool em gel, ainda são importantes para evitar a disseminação do vírus.

“Enquanto a população global não estiver vacinada, ainda estaremos sujeitos à entrada de novas variantes e à surpresa de uma terceira onda. Então, não podemos dizer que a pandemia está acabando e que podemos nos descuidar. Ainda é cedo para isso”, explica Mônica.

A desigualdade mundial no acesso às vacinas anti-Covid afasta a possibilidade de um controle global da pandemia. Países como Haiti, Jamaica e Nicarágua, por exemplo, ainda não vacinaram nem 10% da população contra a Covid-19, segundo a Opas (Organização Pan-americana da Saúde).

Mortes evitáveis
A aposta do governo federal em remédios comprovadamente sem eficácia para o tratamento da Covid-19, somada à demora para a aquisição das vacinas, resultou em milhares de mortes que poderiam ter sido evitadas, apontam as investigações da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid-19.

O epidemiologista Pedro Hallal, da Ufpel (Universidade Federal de Pelotas), afirmou durante depoimento à comissão parlamentar que o país poderia ter evitado cerca de 400 mil mortes pela doença. Hallal coordenou inicialmente o programa financiado pelo Ministério da Saúde que tinha como meta monitorar o avanço do novo coronavírus no Brasil, chamado Epicovid-19.

Uma investigação realizada pela CPI mostrou que o governo federal ignorou, no ano passado, pelo menos 53 e-mails de ofertas da Pfizer, o que, posteriormente, contribuiu para definir o cenário de escassez de imunizantes vivenciado pelo país no primeiro semestre de 2021, quando a variante Gama se tornou dominante, causando recordes diários de mortes e o colapso do sistema de saúde.

“Não se fizeram acordos no momento em que outros países fizeram. Apostou-se em uma vacina só, que foi a da AstraZeneca, enquanto todos os outros países apostaram em mais de um produto – alguns inclusive compraram uma quantidade de vacina muito maior do que a necessária para vacinar a população”, ressalta Mônica Levi, diretora da SBIm.

Fonte: R7.com


Dê sua opinião: